sexta-feira, 18 de agosto de 2017

"resenha" sobre Aristóteles e Dante

Eu prometi uma resenha de Aristóteles e Dante Descobrem Os Segredos do Universo, mas não tenho maturidade para fazer uma crítica ou uma análise objetiva. Então vou fazer o que consigo, que é balbuciar de forma pouco coerente e apaixonada.

Têm alguns livros que você quer que todo mundo leia. Livros YA (nomeados pela faixa etária que pretendem atingir, Young Adult) costumam ser assim. Depois de terminar Jogos Vorazes, você quer que outras pessoas leiam para poder falar a respeito, mandar mensagens em caps lock, possivelmente gritar de forma histérica.
Agora, algumas vezes, acontece uma coisa diferente. Você lê um livro que se aloja muito perto do seu coração, sente as palavras se entranhando na sua cabeça e ressoando nas suas costelas e tudo o que você é canta de volta. Esse não é o tipo de acontecimento sobre o qual se grita, é o tema de conversas sussurradas, de adjetivos curtos e dramáticos.
Eu não consigo gritar sobre Aristóteles e Dante Descobrem Os Segredos do Universo.


"Eu quero ler, mas tenho medo," uma amiga me disse outro dia. "Porque eu já vi gente que amou e gente que odiou."
"Se você não gostar, não me conta," respondi.
Não li críticas sobre o livro, então não sabia que algumas pessoas tinham odiado. Fiquei curiosa para saber com base justificam esse ódio, mas não consigo me fazer procurar. Acho que doeria.
(Tem um anime chamado Hyouka que é outra coisa sobre a qual não consigo gritar. As opiniões sobre ele são sempre bastante drásticas - ou aversão total, ou afeição que queima. Fico na segunda metade, mas compreendo porque é possível ter outra opinião. O problema com Aristóteles e Dante é que não consigo começar a imaginar motivos para não gostar do livro, porque imagino que seja tudo o que me faz amá-lo.)

Nunca fui do tipo que escreve em livros. Meus pais sim, mas eu sempre tive uma reverência que me impedia de sequer considerar aproximar um lápis de um livro. Não conseguia entender porque era preciso rabiscar o livro quando existe a possibilidade de copiar as frases boas em outro suporte.
Minha primeira leitura de Aristóteles e Dante foi em formato digital. Logo depois que terminei, saí em uma missão de busca por uma cópia física, porque eu precisava segurar aquelas palavras nas mãos e passar os dedos pela tinta e aproximar o livro do rosto. Quando consegui, cheguei em casa, selecionei meu lápis mais bonito, novo, que ainda não tinha tido coragem de usar. Sentei na poltrona. Pouquíssimas páginas escaparam de alguma interferência, e é mais raro achar uma frase limpa do que sublinhada.
Não me senti culpada.

O livro é construído em frases curtas, metáforas dolorosas, emoção crua e poesia. Não poesia versada; simplesmente poesia.


Aristóteles Mendoza não sabe lidar com ter 15 anos. Eu também não soube. Quando li o livro, aos 17, ainda não sabia. Agora, aos 19, continuo sem saber. Isso com certeza é parte do motivo pelo qual o livro faz tanto sentido pra mim.


Ari tem 15 anos, nenhum amigo, uma sombra de irmão mais velho que o acompanha para todos os lugares. Ari sente tédio, raiva e tristeza. Ele acumula silêncios. Vazios. E então, em um dia das férias de verão, ele conhece Dante, uma daquelas pessoas mágicas que, mesmo sem ter ideia do que está fazendo com a própria vida, consegue nos fazer ver um caminho para fora da nossa própria bagunça.
É uma história sobre amadurecimento e sobre se tornar quem você é, sobre solidão e sobre falar sem conversar, sobre aprender a deixar o mundo entrar na sua conchinha. É uma história de amor, tantos, tantos, tantos tipos de amor. Ari, como seu xará da Antiguidade, quer conhecer os segredos do universo; e o universo é muito mais do que essa massa misteriosa de espaço, tempo e matéria escura.

Esse livro me faz chorar e rir em igual medida. Eu sinto que nunca paro de lê-lo, mesmo quando está na estante. Você devia ler também. Mas, se não gostar, por favor não me conte.

(ノ◕ヮ◕)ノ*:・゚✧

p.s. prepare-se para ter muitos sentimentos sobre passarinhos e chuva. principalmente chuva.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Conclusão das Listas

Eu sei que disse que a atualização seria sobre as coisas que ficaram por fazer, mas é mais fácil comentar as coisas que fiz.

Lista remanescente das férias passadas
ANIMES
One Punch Man foi colocado na Netflix, então assisti com o maior prazer. Mas foi o único anime que consegui ver durante as férias. Estou no 11° episódio da segunda temporada de Boku no Hero Academia agora.
Honestamente, não sei porque tenho tanta preguiça de ver filmes de anime. Acho que vou usar a técnica de assistir meia hora por vez para me enganar.

LIVROS
Não li nenhum dos livros da lista antiga, mas terminei Mitologia Nórdica da lista nova. E também finalmente consegui ler Carry On, da Rainbow Rowell  (post sobre ela e sua escrita mágica a caminho). Talvez eu tenha terminado mais algum livro, mas não lembro
(estou compensando agora - estou quase na metade do meu sétimo livro de agosto)

Lista Oficial Das Férias de Julho
...terminei de assistir Orgulho e Preconceito e Zumbis. Yay? Não foi bom como eu esperava (post a respeito em breve também).
Não, não concluí mais nada.

Não é surpreendente que eu tenha falhado tão estrondosamente, considerando a quantidade de itens nas listas e as férias peculiares que tive. Passei uma semana fazendo trabalho de final de semestre, uma semana na casa da minha avó, uma semana flutuando no tempo e espaço e uma semana socializando. Imagino que eu poderia ter avançado nas listas nessa terceira semana fantasma, mas acho que estava vivendo em alguma espécie de dimensão paralela. Não lembro como passei esses 7 dias.
Enfim! Preciso criar listas novas.

(ノ◕ヮ◕)ノ*:・゚✧

domingo, 23 de julho de 2017

Vôlei, ou A influência positiva que animes podem ter na sua vida

Eu não sou a pessoa mais atlética do mundo. Fiz natação e consegui algumas medalhas, mas não tenho uma coordenação motora maravilhosa ou reflexos geniais. Ou seja, a aula de educação física não era o melhor momento da minha semana, mas também não era um inferno na terra.
A menos que fosse aula de vôlei. Aí era.

Toda a minha incoordenação ficava evidente nas aulas de vôlei, e o resto da minha sala não era muito melhor. Os jogos eram um espetáculo bem patético: ponto de saque atrás de ponto de saque. Era tedioso, estressante e nem um pouco divertido. E assim foi por quase todo o meu tempo de escola.

Em 2014, lançou um anime chamado Haikyuu!!. É um anime shounen de esporte. Mais especificamente, de vôlei.
Eu não vi de primeira. Precisei de incentivo na forma de frustração por não entender as referências no tumblr e de uma amiga que me passou todos os episódios, mas foi rápido para me apaixonar depois que comecei. Lá pelo quarto ou quinto episódio me gravei assistindo para a minha amiga ver o quanto eu gritava cada vez que me exaltava.
Tenho 30 páginas de posts de Haikyuu!! no tumblr. Já escrevi pelo menos 20 mil palavras em fanfics. E não tem como se aficionar por algo sobre vôlei sem se interessar um pouco por vôlei; ou, nesse caso, pelas aulas de vôlei. Comecei a focar mais em tentar acertar do que nos meus erros. Meus amigos e eu começamos a fazer rodinhas de toque enquanto esperávamos nossa vez de jogar. Outras pessoas da sala se juntaram. A aula ficou divertida.
O irmão mais novo de uma das minhas amigas se inscreveu nos treinos de vôlei depois de assistir Haikyuu!!. Não cheguei a esse ponto, mas poderia ter chegado.

Aí, ano passado, vieram as Olimpíadas, e com elas jogos de vôlei de nível internacional. Acompanhei tudo e vibrei e meu coração se encheu de alegria quando o vôlei masculino ganhou ouro, do mesmo jeito que se encheu de tristeza quando o vôlei feminino não conseguiu.


No dia 6 desse mês, coincidentemente o mesmo dia no qual entreguei meu último trabalho de faculdade, fui em uma consulta médica. A televisão estava ligada na sala de espera, passando um jogo de vôlei - e foi assim, com Brasil x Canadá, que descobri que a Liga Mundial de Vôlei Masculino estava acontecendo.
Eu fiquei completamente louca. Devo ter mandado mais de 100 snapchats para os meus amigos no jogo Brasil x Rússia. Tudo começou com o inocente propósito de mostrar uma foto do meu namorado russo, depois do meu namorado pequeno, depois da minha criança estressada, depois da minha criança russa, depois do meu Marido, e aí da minha frustração pelo meu marido estar no banco, e o spamming foi principalmente disso e da minha criança russa fazendo coisas engraçadas.

Egor Kliuka, meu namorado russo
Thales, um dos líberos brasileiros, meu namorado pequeno (o outro líbero, o Thiago, é minha criança estilosa)
Bruninho, capitão e levantador brasileiro, minha criança estressada
 
Volkov, minha criança russa, ou A Melhor Pessoa
Lucão, meu Esposo

Eu cheguei atrasada para assistir Brasil x EUA, o que não me impediu de spamear todo mundo com minha animação. Assim, antes da final, eu mandei um snap de misericórdia, dizendo que quem não quisesse receber podia me avisar antes e tudo ficaria ok. Para a minha surpresa, foi o contrário. Cobraram a ausência de snaps preparatórios, e, quando fiquei muito tensa com o jogo e parei de mandar, cobraram de novo. Fiquei muito contente.

Meu coração absolutamente partiu quando perdemos.

Agora estou acompanhando as meninas jogando o Grand Prix. Amanhã/hoje é a última partida dessa fase, contra os Estados Unidos, e elas precisam vencer para avançar. Estou bastante nervosa, mas otimista. Se elas repetirem o desempenho do jogo anterior, contra a Holanda, confio que vai dar tudo certo (isso desconsiderando o terceiro set).



Quando chega a Copa, também fico animada assistindo o futebol. Mas é momentâneo. O amor que eu desenvolvi por vôlei é constante. Tudo por causa de Haikyuu!!. E é por isso, crianças, que não se deve subestimar o poder do anime.

(ノ◕ヮ◕)ノ*:・゚✧

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Listas

(transcrita e elaborada de post-its colados na parede do meu quarto)

~fantasmas das férias passadas / também conhecido minha tentativa frustrada de ver animes que estou procrastinando há anos

-Soul Eater (que todos os meus amigos viram e que é quase como se eu já tivesse visto também só que na verdade não)
-One Punch Man (eu vi os dois primeiros eps enquanto lançava e aí me perdi)
-Durarara! (demorou acho que quatro anos para lançar a segunda temporada e mesmo assim eu não vi a primeira)
-Steins; Gate

(filmes) (ainda de anime)
-Ghost in the Shell
-Ano Hana
-Free!
-Psycho Pass

--> ler Magi (algo que já comecei a fazer duas vezes)

*ver Heathers, the Musical (ou pelo menos terminar de ouvir a trilha sonora)

~coisas a ler assim que possível / ou seja, os livros que eu comecei a anotar para ler depois de ter terminado a lista de leitura das férias anteriores

-Senhor dos Anéis
-Precisamos Falar Sobre Kevin
-O Mundo de Sofia
-Senhor das Moscas
-A Sangue Frio
-Versos Satânicos

~então-eu-estava-fazendo-isso-durante-o-semestre-mas-fui-devorada-por-responsabilidades-e-pelo-youtube / o nome diz tudo

-Man x Man (estou de fato quase acabando)
-Doctor Who 10ª temporada (eu parei no terceiro episódio)
-Mitologia Nórdica (to na metade)
-A Agência de Investigação Holística de Dirk Gently (o livro)
-blog (HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA)
-escutar a trilha sonora do musical Be More Chill
-American Gods

 lista de fato elaborada para essas férias 乁( ˙ ω˙乁)

-Boku no Hero Academia, 2ª temporada (para a qual eu estava ultra animada, até que lançou)
-Orgulho e Preconceito e Zumbis (EU QUERIA TER VISTO NO CINEMA EM 2015)
-longfic de Haikyuu!! a escrever
-Shingeki no Kyojin, 2ª temporada (...esperando por isso desde 2013)
-O Mestre (filme que me foi recomendado)
-Unbreakable Kimmy Schmidt (que também me foi recomendado)
-episódios finais de Gravity Falls
-todas as temporadas de Steven Universe além da primeira
-Orphan Black, 5ª E ÚLTIMA temporada

No final das férias publico uma atualização de quais dessas coisas ficaram por fazer.
(ノ◕ヮ◕)ノ*:・゚✧

terça-feira, 30 de maio de 2017

uma palavra sobre o final de semestre

Porque sim, acredite se quiser, já é final de semestre. Honestamente, acho que o final de semestre na minha faculdade começa exatamente um mês depois do início das aulas, e aí vai até o meio do ano. A nível oficial, as aulas terminam em julho, mas alguém se importa? Pelo jeito, não.

Eu me importo.

Por causa disso, a maioria das minhas matérias vai terminar no meio de junho. O que é bom, mas também significa que eu estou fazendo trabalhos finais agora. Um deles acabei de enviar, o outro é para semana que vem, e aí tenho uma semana para fazer mais dois, e depois um para a semana final de junho, e por fim um que talvez seja para julho. É, eu sem dúvida vou enlouquecer. É meu primeiro final de semestre sem a interferência da Greve, e amém por isso, mas SCRR.
(Greve com maiúscula porque é o nome próprio de uma entidade mística que ataca de tempos em tempos)

Eu anotei ideias para quatros posts para esse mês. Queria até compensar mês passado. Vai rolar? Hmmm. Acho que vamos descobrir amanhã. Eu nem tinha me tocado que amanhã era o último dia do mês até minha mãe me lembrar e eu perceber que tinha que enviar um trabalho. Porque é assim que está funcionando.
Parte do que torna o final de semestre mais suportável é reclamar a respeito.
A outra parte é dormir. Que é o que vou fazer agora.

(ノ◕ヮ◕)ノ*:・゚✧



domingo, 30 de abril de 2017

drama tecnológico

Eu até tinha ideias para postar esse mês, aí meu computador de um ano e dez dias deu problema. E ele não deu um pouquinho de problema, ele deu muito problema. Na quinta-feira do feriado de páscoa, enquanto eu tentava fazer trabalho, ele subitamente avisou que o disco rígido não podia ser encontrado e parou de ligar.


Eu só queria fazer trabalho.

Por causa da páscoa, o computador só foi para o conserto na segunda. E desde então eu espero.

Fiquei triste, mas não absolutamente deprimida/em estado de desespero. Graças ao meu bom-senso, tudo que era de maior relevância para o meu dia a dia estava salvo no Drive - inclusive, amém Drive. Todos os arquivos da faculdade e todos os arquivos de escrevinhanças. Talvez eu tenha perdido algumas imagens sobre escrever, mas entre as coisas que eu poderia ter perdido daquela pasta, essa era a melhor opção.

Aí tem as coisas que eu não abria todo dia, mas que eram importantes do mesmo jeito. Ou seja, imagens e vídeos. Ou seja, memórias.
Fazia alguns meses que eu vinha organizando essas pastas. Eu estava arrumando tudo o que tirei do meu antigo celular, tudo o que mandei para o meu email no final de 2015. Era um processo lento, mas estava acontecendo. E justamente pelas pastas estarem em mudança constante, eu pensei, "coloco no HD externo ou no drive quanto estiver pronto".
Eu não tive tempo de terminar. E agora todas as fotos e vídeos dos últimos meses desapareceram.

Minha esperança era uma ligação milagrosa dos técnicos. "Conseguimos recuperar seus arquivos!" - podia ser só uma porcentagem e eu já ficaria contente.
Mas os técnicos não ligaram. Eles mandaram email, e o email dizia que nada seria recuperado.

Eu fiquei chateada. E aí esse hipopótamo me deu forças para continuar.


E motivação para ver o que eu de fato tinha passado para o HD externo. Mais coisas do que eu esperava, para ser honesta, o que me deixou bem contente. Mas de novo, os últimos talvez seis meses desapareceram.

Pensei um pouco sobre como nem vou lembrar do que estava lá. Sobre como passei todo aquele tempo transferindo as imagens e agora elas se perderam e logo não vão significar nada. Mas é uma metáfora muito boa para a vida, então decidi parar de pensar antes de ficar deprimida.

salvem seus arquivos, pessoal. várias vezes e em vários lugares. trust no bitch.
nesse exato momento estou tentando pensar em uma forma de passar tudo que tenho no drive para o HD, porque o drive está mais atualizado e eu também não confio nele.
(ノ◕ヮ◕)ノ*:・゚✧

sexta-feira, 31 de março de 2017

Minha história com o Homem Aranha

Vou fazer um inventário. Eu tenho
-folhas de fichário do Homem Aranha
-chaveiro do Homem Aranha
-copo do Homem Aranha
-camiseta do Homem Aranha
-uma agenda com adesivos do Homem Aranha colados na capa
Disso talvez dê para chutar qual o meu super herói preferido.

Agora, essa é a parte engraçada. Eu não sei direito porque ele é meu preferido. Os primeiros filmes, com o Tobey Maguire, lançaram enquanto eu crescia, mas não gosto muito deles. Certo, que eu me lembre o primeiro é bem legal, mas a única coisa que eu lembro do segundo é o Doutor Octopus e o terceiro é simplesmente estúpido.

QUEM FOI QUE ACHOU QUE ISSO ERA UMA BOA IDEIA

O Duende Verde e o Doutor Octopus são ótimos? Com certeza. Atores bons, vilões complexos e ameaçadores, 10/10. Kirsten Dunst como Mary Jane é uma princesa? Claro! Nem me deixe começar a falar sobre o beijo de ponta cabeça, aquilo é simplesmente clássico.
Mas sei lá. Ainda não era a época de bons filmes de super heróis. A galera ainda não tinha pegado o jeito.
mais evidência de que Homem Aranha 3 foi um desastre

Acho que o que me fez gostar do Homem Aranha foram os quadrinhos, o que é divertidíssimo considerando que eu devo ter comprado bem uns três ou quatro quadrinhos de super herói durante toda a infância. Só. Eu preferia investir o dinheiro dos meus pais em Turma da Mônica enquanto relia aquelas três revistas de herói. Por acaso, uma delas era do Homem Aranha. Uma edição especial, a da morte do capitão Stacy.
Será que foi isso? Será? Não sei, mas explica bem porque eu gostei tanto dos filmes com o Andrew Garfield. Eles foram justamente a história da minha revista! Essas adaptações foram muito criticadas, mas eu penso nelas com carinho. Sem contar que o segundo filme trouxe Dane Dehaan pra minha vida, e que eles tentaram introduzir a Gata Negra, e ia ser a Felicity Jones. Então, não, eu não vou concordar com você se começar a dizer que esses filmes foram ruins.

foi ridiculamente difícil escolher uma foto

É claro que eu fiquei insatisfeita quando ouvi que eles iam começar outra série de filmes. Eu estava contente com o que estava acontecendo e de repente eles decidem partir do zero?? Pela TERCEIRA VEZ?? Reclamei bastante. Mas aí veio a esperança de que o novo Homem Aranha fosse ser o Miles Morales, não o Peter Parker, e a possibilidade me animou.
Logo fui decepcionada. Pensei em desistir dos filmes.
Aí lançou Capitão América Guerra Civil, também conhecido como Aquele Filme Maravilhoso, no qual entre outras coisas, fomos apresentados ao Homem Aranha do Peter Holland, também conhecido como O MELHOR ARANHA DE TODOS OS TEMPOS, ou pelo menos essa é a minha expectativa, que admito estar perigosamente alta. Mas o desempenho dele em Guerra Civil foi perfeito - o Spidey é daquele jeito, uma criança nerd que não cala a boca quando deveria.
Achei maravilhoso. Fiquei ansiosíssima para Homecoming. Aí percebi que se começasse a ficar animada com tanta antecedência, ia sofrer um ataque cardíaco ou um aneurisma. Diminuí um pouco o fogo, mas tanto, que quanto o trailer saiu demorei umas duas semanas para assistir. Porque sabia que depois do trailer ia começar a ficar animada de novo. Minhas previsões estavam corretas.


A ZENDAYA, AAAAAAA

OLHA COMO ELES SÃO BOBOS EU NÃO AGUENTO

O filme lança em julho. Eu vou sobreviver até lá? Quem sabe!

(ノ◕ヮ◕)ノ*:・゚✧